Ministério da Ciência e Tecnologia

Línguas Ameaçadas

A A A

Introdução

Línguas desaparecem quando ninguém mais as usa. Muitas línguas que já foram faladas no passado não são mais faladas.
Quando pensamos nisso, talvez lembramos do Latim, uma língua que foi falada (há uns quinze a vinte cinco séculos) pelos habitantes da antiga Roma. Hoje ainda há pessoas que sabem usar o Latim, especialmente pessoas da igreja católica. O Latim até hoje é a língua oficial do Vaticano. Mas o Latim não morreu sem deixar uma grande herança: as línguas românicas, que se desenvolveram a partir do Latim Vulgar, o Latim falado pela população simples no grande império romano.

De fato, é normal que as línguas se transformem, não existe língua que seja igual hoje ao que era 500 anos atrás.
Mas também há muitos casos de línguas que deixam de ser faladas sem se transformar em outras. Isto pode acontecer porque todos os falantes morrem, por exemplo em uma catástrofe natural, ou numa guerra ou até num genocídio.

Mas é muito mais comum que línguas desaparecem porque são abandonadas — os falantes da língua deixam de usá-la  em todos os contextos (“domínios”), e mudam para uma outra língua, a língua dominante ou língua-alvo. A situação piora substancialmente quando em algum momento os falantes adultos deixam de transmitir a língua ameaçada para a próxima geração: eles não mais falam em sua língua materna para seus filhos. Uma língua que está em uma situação de pressão, em que isto pode facilmente acontecer num futuro próximo, é uma língua ameaçada.

Quando já não tem mais crianças que aprendem esta língua como língua materna, a língua é altamente ameaçada (também chamada moribunda ou obsolescente), pois se nada acontece, ela morre junto com os últimos falantes das gerações mais velhas. Quando não tem mais nem pessoas que se lembram dela (mais do que algumas poucas palavras), ela é considerada uma língua extinta.

Com a expansão da cultura européia em várias partes do mundo e alguns outros impérios regionais, o fenômeno da extinção de línguas ficou cada vez mais freqüente. Isto não vale somente para o Brasil, mas para todas as regiões do mundo: em quase todos os países a maioria das línguas é ameaçada. É irônico que a modernização tecnológica, que é um fator crucial na globalização, ao mesmo tempo cria as condições para uma documentação moderna, em forma de acervos digitais duradouros.